Segunda-feira, 3 de Setembro de 2007

Estremoz: "uma morte sem lide"

Praça de Touros de Estremoz


Faz hoje, 3 de Setembro, 103 anos que foi inaugurada a Praça de Touros de Estremoz.

 Praça de Touros de Estremoz

     foto AJRamos

(Re)Construída sobre as ruínas da original Praça de Touros de Santa Catarina (inaugurada em 25 de Julho de 1878 e abandonada à ruína por mais de 20 anos), deveu-se a sua reaparição, à vontade expressa de inúmeros estremocenses, que após a sua conclusão e inauguração em 3 de Setembro de 1904 a deixaram em legado à cidade.

Só que passou mais um ano sem utilização e como parece que alguns quererão reeditar a história, só se pede que esta também renasça.

São só 103 anos! mas também o que é isso para um concelho que tem tantos edifícios históricos... ainda em Agosto, o jornal "Correio da Manhã" se referia a esta "Praça degradada".

00006qxw

     foto AJRamos

Segundo as últimas informações ou opiniões (ainda não consegui perceber), estará para breve "MAIS" uma solução via Câmara Municipal, aliás, o Sr. Presidente da CME, afirmou em 23 de Janeiro deste ano aos microfones da "Despertar" que:

"herdámos um protocolo tripartido entre o Asilo, a Santa Casa e a CME para a recuperação a cargo da Câmara, como não há possibilidades financeiras, a Fundação Asilo propôs a devolução da Praça pois dispunha de parceria privada para a recuperação da mesma. Pensamos que o futuro e a exemplo de outras localidades com praças, passará pela parceria entre o Asilo e os privados, da nossa parte aguardamos a entrega do estudo pois a denúncia do acordo existente está feito"

Fico pelos parabéns à Praça e na esperança que as informações recentemente emitidas correspondam a uma verdadeira e eficaz solução para este "espaço multiusos" (ou que deveria ser!).

Alentejanices...:
António José Ramos às 00:01
link do post | diz lá tu

ano X... por António José Ramos

correio para mim, é aqui
connosco

ESTREMOZ

Estremoz

escuta aqui a

Rádio Despertar - on-line

procura aqui...

subscrever feeds

Alentejanices...

todas as tags

há mais estas...